Powersites - hospedagem de sites

Conteúdo
Menu
Status da Rede
Visitas
Até o momento, recebemos
101538140
vizualizações de páginas (page views) desde Agosto de 2004


Brasil fica em 4º em ranking de pirataria



GENEBRA - O Brasil ficou em 4o lugar em um estudo feito por multinacionais sobre os piores países em termos de pirataria.

China e Rússia foram considerados os países onde há mais pirataria e falsificação, "por uma ampla margem".

Cerca de dois terços de todos os bens falsificados vendidos na União Européia têm origem na China, disse o relatório da Ação Comercial para Conter a Falsificação e a Pirataria.

O grupo é formado por multinacionais como a General Electric, a Vivendi Universal, o EMI Group e a Microsoft, e atribuiu o furto de propriedade intelectual à falta de fiscalização por parte dos governos.

"É necessário tomar muito mais medidas em termos de coerção", disse Guy Sebban, chefe da Câmara de Comércio Internacional, organização que reúne as câmaras comerciais nacionais.

Os custos da falsificação e da pirataria superam os 100 bilhões de dólares por ano, e podem colocar a saúde e a segurança em risco no caso de mercadorias como remédios, disse a Organização Mundial de Propriedade Intelectual da ONU.

O relatório foi divulgado durante os preparativos para uma conferência de dois dias que acontece esta semana em Genebra, onde executivos e autoridades vão tratar de problemas ligados aos itens falsificados, como alimentos, brinquedos, cosméticos, remédios e pilhas --além de música, filmes e produtos de marcas de luxo.

O Brasil foi citado junto com outras economias emergentes --Índia, Indonésia, Vietnã e Paquistão-- como país de "baixo desempenho". Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha e França foram consideradas as mais severas contra a pirataria, seguidos por Japão, Canadá e Suíça.

Os Estados Unidos já advertiram a China de que vão tomar providências junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), para a qual a China entrou em 2001, se os chineses não tomarem medidas para proteger os direitos de propriedade intelectual.

A questão é um dos empecilhos para a entrada da Rússia na OMC, que conta com 150 países-membros.

Sebban disse que as empresas estão tentando se manter "um passo à frente dos piratas", e acrescentou que são necessários controles mais rígidos para impedir que produtos ineficientes ou perigosos cheguem aos mercados do mundo.

"Precisamos conscientizar as autoridades de que um investimento maior na coerção (à pirataria) vai se traduzir em mais empregos e mais receita tributária, além de ajudá-las a combater o crime organizado", disse ele.

Fonte: Info Online


Postado em Segunda, janeiro 29 @ 23:07:30 BRST por bruno-heim
 
Links relacionados
· Mais sobre Programas
· Notícias por bruno-heim


As notícias mais lidas sobre Programas:
VONO - Voip

Classificação de notícias
Votar: 0
Votos: 0

Por favor, dedique um segundo de seu tempo para votar nesta notícia:

Excelente
Muito bom
Bom
Regular
Péssimo

Opções